Como aplicar o Visual Merchandising corretamente

vm1vm2

O Visual Merchandising (VM) é uma estratégia poderosíssima para atrair mais clientes, a partir das expertises da arquitetura e das ações de marketing. Em linhas gerais o VM é a experiência de compra a partir do ponto de venda.

O primeiro grande passo é atrair o cliente pela Vitrine; é por ela que o cliente será “fisgado” para entrar na loja. Mas para isso, é importante ter uma vitrine bem planejada e criativa. Nós fizemos um artigo e temos um vídeo exclusivo sobre assunto (confira aqui).

Após o cliente ter sido atraído para a loja, é importante que ele percorra todo o espaço do estabelecimento. E para isso ocorrer é necessário que você arquiteto/empreendedor crie um Layout Funcional/Intencional direcionado para o cliente e para os seus olhos. Tudo pensado para fazê-lo perceber a loja como um todo, possibilitando que ele seja atraído para todos os pontos que você predeterminou. Isso é visual merchandising.

Pesquisas afirmam que 80% da população mundial é destra, dessa forma, as pessoas andarão naturalmente mais pelos os espaços “a direita”. Então é interessante criar um layout pensando nessa informação. Porém, não quer dizer que você não pode ousar e criar outras estratégias para fazer o cliente “andar pela loja”. Esse percurso pode e deve ser explorado utilizando diversos recursos, desde o posicionamento do mobiliário, até detalhes na iluminação. Tudo tem que ser pensado, planejado e estudado.

Zona Quente

A Vitrine e a entrada da loja pertence a essa zona, é claro! Então nessa zona explore os produtos novos, de coleção, as novidades. Essa deve ser a zona mais acessível da loja. Ideal para o caixa, para as compras por impulso, para o móveis expositores localizado próximos e depois dos provadores! No final da zona quente, é importante criarmos um ponto que chame atenção do cliente, para que ele sinta vontade de voltar à loja. A Zara, por exemplo, utiliza no fundo do caixa um painel luminoso que explora a nova coleção da loja, ou o que ainda está por vir! Outra dica é utilizar manequins no fundo da loja atraindo o olhar do cliente para ir até aquele local.  

Zona Fria

Projete esse espaço dentro da loja para as mercadorias mais rotativas, as mais vendidas, as mais populares. Essas compras mais frequentes já são o atrativo daqueles clientes fiéis. É interessante fazer uso de móveis expositores com combinações especiais que chamem atenção para essa zona, araras e os provadores.

Lembre-se de analisar a altura dos clientes e como eles observam os produtos nas gôndolas, araras e mesas. Esses ângulos de visão devem ser estudados de forma a condicioná-los a ter maior visibilidade dos produtos.

Tudo que está acima da cabeça merece algum detalhe que atraia a visão.

No nível dos olhos sempre é o ponto mais atrativo. Essa visualização das peças geralmente representam 52% das vendas.

No nível das mãos, o cliente sente-se confortável em mexer nas araras e assim não apresentará problemas de visualização dos produtos.

No nível inferior, a visualização não é direta e nem de fácil acesso, por isso devemos prever focos de luz que valorizem os produtos e lembre-se de nunca expor produtos diretamente no chão, isso poderá desvalorizar os produtos expostos.

Outra dica é projetarmos vários fachos de luz, com ângulos diferente e posicionarmos de acordo com o que queremos valorizar. Assim iremos garantir uma loja bem iluminada e todos os produtos valorizados de forma correta!

Comentários

Olga Portela cresceu cercada pela cultura popular de Pernambuco, com um lado empreendedor forte, se apaixonou por Arquitetura aos 12 anos de idade. Adora projetos comerciais e se considera uma exímia dona de casa, graças a seus dotes manuais!

Os comentários foram encerrados, mas trackbacks e pingbacks estão abertos.